Boa parte dos alunos brasileiros não alcança as habilidades mínimas em português e matemática, há pouco incentivo em educação profissionalizante e o índice de evasão dos alunos antes da conclusão do ensino básico é alto. O relatório de Monitoramento Global da Educação mostra que, em todo o mundo, mais de 264 milhões de crianças e jovens não frequentam a escola.

O conteúdo do relatório da Unesco divulgado nesta segunda-feira, não é nenhuma novidade para a sociedade brasileira e nem tampouco para as autoridades em geral.

O descaso é amplo em todos os sentidos com o setor educacional. A maioria das escolas públicas são verdadeiros chiqueiros humanos.

Essa indecência se acentua com mais gravidade nas escolas públicas do Norte e Nordeste.

Há anos que as autoridades governamentais não dão importância a este segmento da sociedade brasileira que chama-se Educação.

O Brasil tem maquiado dados e construído uma Educação disforme e sem nenhuma responsabilidade.

A estrutura física dos prédios escolares é uma questão que nos causa nojo. Em grande parte dos municípios, principalmente nos rincões do interior do país, as escolas muitas vezes funcionam de forma precária e desumana, mesmo com os esforços dos educadores que fazem de suas profissões, verdadeiros sacerdócio.

O futuro do setor educacional é incerto, uma vez, que o Governo Federal fez cortes drásticos em sua política de contenção de despesas. Isso, atinge em cheio o futuro de milhares de jovens de Norte a Sul desta nação.

Mesmo tendo conhecimento de que os investimentos no setor educacional é a única porta para se construir uma Pais mais digno e civilizado, o Governo teima em cortar investimento no setor e fechar os olhos para este importante viés, único caminho que pode tirar a nação da atual conjuntura social em que se encontra.