Estamos em cortejo na Lavagem do Bom Jesus da Passagem em Pojuca. A tradição das festas de largo m a fé dos baianos e precisa ser valorizada, faz parte de nossa identidade cultural. 

Brilho próprio

 

O pré-candidato a senador que seguramente mais chamou a atenção na tradicional Lavagem do Bonfim, convertida em palco político fortíssimo em ano eleitoral, como este 2018, foi o deado estadual Angelo Coronel, presidente da Assembleia Legislativa. Pelo menos, foi o único a botar o bloco na rua e andar, por todo o trajeto, com uma turma de fazer inveja a muito candidato majoritário, mostrando que não espera ser puxado pelo governador Rui Costa (PT), mas que pode, efetivamente, ajudar o petista a se reeleger em outubro próximo. Diferentemente do ex-governador Jaques Wagner, que preferiu não fazer toda a caminhada, Coronel fez todo o percurso, o que lhe deu a oportunidade de ser parabenizado por vários populares no caminho.

Irresponsáveis

O novo rebaixamento da nota de risco do país, pela agência Standard and Poor's, que produz ainda mais estragos na imagem do Brasil entre investidores estrangeiros, retardando a retomada econômica, mostrou o quanto o vacilante comportamento dos deados brasileiros em relação à importância de reformas como a da Previdência, está prejudicando o país, levando-o, inclusive, a um cenário de hiperinflação, como ocorreu no passado.

Contribuindo

Aliás, não se trata apenas da demora do país em aprovar medidas como a reforma da Previdência, mas a insistência de Poderes como o Judiciário de garantir o aumento da elite do funcionalismo público, atestada pela decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendendo a concessão da majoração pelo governo, o que continua a arrasar com a imagem do Brasil no exterior.

Leia a Coluna completa na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual.