E pra contar a história de mais um “filho da terra”, que são aqueles belmontenses natos que realizam trabalhos importantes na comunidade a fim de contribuir para seu crescimento vamos ter que voltar um pouco no tempo, isso mesmo, viajar um pouco pela história política de nosso município, para nova geração conhecer nomes de políticos influentes da época já para outros relembra-los. Vamos também conhecer um pouco do regime predominante naquela época, o Coronelismo, fatos realmente marcantes envolto desse nosso entrevistado os quais marcaram a história politica de nossa cidade.
 
Tá ficando curioso né? Então vamos lá, falar dele, que mesmo com todas as adversidades, enfrentando grandes injustiças, diante das várias ameaças pelas quais passou não desistiu, e se fez PERITO sabe por que? Porque o PERITO não se importa se nasceu na lama ou se jogaram ele no fundo do poço, pois no final ele sempre será posto no TOPO.
Jorge Passos dos santos, nascido em Santa Maria, com 59 anos, filho de Conrado Vieira dos Santos (comerciante no ramo de tecidos, farmácias, bar, além de outras atividades) e Teobalda Passos dos Santos (Professora Municipal), casado desde 1990 com Lucidei Leão Rodrigues, tendo 01 filho dessa união.
 
Disse já ter nascido com política no sangue e esse amor vem de sua mãe que era simplesmente apaixonada por política, que naquele tempo ela fazia várias músicas pra João Veloso (Político muito conceituado no Município na época, chegando ao cargo de Prefeito da cidade e muito querido pela população). Jorge conta que várias vezes participou dos comícios de João Veloso e acompanhava de perto sua ascensão política no município, era tão próximo que o próprio João Veloso dizia que ele tinha jeito pra política e que seria seu substituto, ou mesmo um vereador ou secretário do município e que iria apoia-lo, porém Jorge não podia, pois era muito novo naquela época (menores de 17 anos não podiam nem votar ainda). Com isso, minha paixão por política foi crescendo ainda mais e junto com ela a vontade de ajudar meu Distrito, minha cidade.
 
Jorge lembrou emocionado de sua infância humilde, de sua época de escola no Distrito de santa Maria Eterna e dos amigos com os quais brincava pelas ruas. “E mesmo com essa simplicidade minha infância sempre foi boa, divertida e inesquecível pra mim. E foi daí que nasceu a vontade de representar minha terra na Câmara Municipal”, comentou.
A sua primeira eleição era pra ter iniciado em 1988, pois nesse período seu nome aparecia como o candidato bem mais votado, (nesse ano Doutor Rizz era candidato a Prefeito e perdeu pra Luís Guimarães), porém em função de um problema eleitoral desistiu de concorrer à eleição. Já no ano de 1992 entrou na disa e foi eleito o vereador mais bem votado da cidade. Tida como uma eleição histórica em função de sua alta aceitação e expressividade no distrito pela população. Neste mesmo ano apoiou Jânio Natal (que concorreu sua primeira eleição sendo eleito na época).  Jorge conta que foi eleito, mas a aliança com Jânio durou apenas 06 meses em função de divergências políticas, acabou se tornando oposição.
Em razão disso, tempos depois começou a sofrer várias ameaças e como se sabe naquela época de 1994 o Coronelismo ainda predominava na Bahia e havia muitos assassinatos. E em nossa cidade não era diferente, principalmente em Santa Maria Eterna, onde sofreu ameaça de assassinato, segundo ele encomendada pela gestão da época. Em função disso, se viu obrigado a deixar seu cargo de vereador um ano antes de terminar seu mandato, pois temia por sua vida, por sua família e principalmente por seu filho ainda criança. Renunciou contra sua vontade, seus sonhos políticos e todos os planos de melhorar a vida da população tiveram que ser deixados pra trás, pois ou renunciava ou morria.
 
Contou ainda que mesmo depois de ter renunciado e estar ainda morando em santa Maria Eterna as ameaças persistiram e o mesmo estava sendo impedido de sair até de casa. Mediante a tantas ameaças afastou-se da política e de Santa Maria Eterna, indo morar em Eunápolis. Informou que passou momentos bem difíceis e que foi muito complicado ter que sair de sua terra e não poder ajudar de fato a população como tanto almejava. "O coração apertava de ver minha terra em mãos de forasteiros, que só queriam usufruir do Distrito e agiam de maneira opressora para com o povo, inclusive quando visitava a localidade meus amigos que trabalhavam no setor público eram proibidos de falar comigo". Comentou Jorge bem emocionado.  Esse afastamento da política durou 20 anos.
 
Durante esses 20 ano de afastamento conviveu em Eunápolis e se dedicou a área de Gêneros Alimentícios, onde se tornou símbolo de referência na região e suas empresas passaram a dominar no seguimento de merenda escolar e demais áreas..... Depois desse longo período fizeram convites pra que ele voltasse a vida política, pois a população de santa Maria Eterna já estava saturada daquele regime que foi imposto no local, então achou que esse momento era perfeito pra voltar e assim o fez.
 
Apoiou a campanha de Alice para Prefeita no ano de 2012, no qual a mesma foi eleita. Porém a aliança não deu bem certo, pois segundo ele, a gestora na época o excluiu de uma participação mais ativa no seu governo, ficando impedido de tomar maiores atitudes que fosse beneficiar a comunidade, por isso rompeu. Já em 2016 se aliou a Iêdo Elias e saiu candidato a Vereador, sendo eleito.
Agradeceu muito a Deus de ter lhe concedido essa oportunidade de estar voltando a Câmara de Vereadores, pois sonhava muito com isso, sonhava em poder ajudar novamente as pessoas e contribuir para que sua terra tivesse um desenvolvimento melhor. Comentou que essa contribuição poderia até ter sido melhor e mais efetiva se não fosse o fato de ser oposição no governo, (apoiou Iêdo Elias para prefeito que saiu derrotado para Janival Borges neste mesmo ano).
Mesmo sendo oposição, decidiu apoiar a gestão de Janival Andrade no seu primeiro ano de mandato, porém viu que sua administração não trabalhava de maneira eficiente e que essa atitude não condizia com o compromisso ao qual tinha com o povo, decidindo assim romper os laços com a gestão. “Nunca tive nenhuma regalia por parte da atual gestão e isso nunca foi meu objetivo. Desde o inicio da campanha me comprometi e decidi que, se ganhasse a eleição iria ajudar a quem mais necessitava, abrindo mão de todo meu salário que ganharia como vereador em função disso. Este foi meu foco e assim o fiz. Ao longo desses dois anos e três meses é isso que tenho feito, e será assim até o final de meu mandato, todo o meu salário é destinado em exames, remédios, cirurgias (em alguns casos o valor dar pra pagar uma cirurgia ou às vezes nenhuma delas) quando isso acontece tenho que tirar do meu próprio bolso para inteirar. Faço isso porque a população de Santa Maia Eterna e Boca do Córrego não dispõe desse serviço da maneira que deveria ser. O descaso e o abandono do poder público são bem evidentes nesses locais, onde os mais humildes são os mais penalizados. Por isso, todos que me procuram eu sempre ajudo da forma que posso”, enfatizou Jorge.
 
Também comentou sobre o os momentos difíceis que enfrentou ao descobrir que tinha Câncer na bexiga, dos vários procedimentos cirúrgicos pelos quais passou e do tratamento que ainda continua.
“Mesmo com todas essas adversidades nunca me rendi, sempre de cabeça erguida me empenho, me dou ao máximo pra tentar minimizar as dificuldades pelas quais vejo a população passar, afinal vivencio de perto essa realidade e luto para melhorá-la”.
 
Falou em primeira mão a nossa redação da aquisição 01 trator completo que conseguiu para as comunidades em questão que será entregue nesse mês ainda, fruto da parceria com a Deada Estadual Maria Del Carmen (PT).
 
Jorge finalizou dizendo: “Me sinto lisonjeado em poder ajudar as pessoas e que o único objetivo da política é o de servir, apenas servir e se isso não acontece ela não pode ser chamada de política”.