Por essa, você já esperava?

  • Amaporã, no Paraná, foi a única cidade no Brasil que teve um empate exato entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no 1º turno. Foram exatos 1.191 votos para cada um.
  • Bolsonaro venceu em todos municípios do RJ.

Bolsonaro vence em 17 estados e Haddad, em 9. Foto: Arquivo

  • Jair Bolsonaro venceu em 624 das 645 cidades do estado de São Paulo no 1º turno. Fernando Haddad (PT) ganhou em apenas 18 municípios.
  • Em Guaribas (PI), “berço” do Bolsa Família, Haddad ficou 90,24% à frente do segundo colocado.
  • Em Nova Pádua (RS), Bolsonaro teve vantagem de 78,27%. Foi a mesma cidade que deu a maior vitória a Aécio no 2º turno em 2014.
  • Maior abstenção desde 1998. Quase 30 milhões de eleitores não compareceram às urnas neste domingo, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
  • Com a decisão do MDB de não destinar recursos para a campanha presidencial, Henrique Meirelles investiu R$ 54 milhões na própria candidatura.
  • PSDB fora do 2º turno pela 1º vez desde 1994. Geraldo Alckmin ficou em, 4º.
  • Leila do Vôlei (PSB), candidata ao Senado pelo Distrito Federal, foi a 1º candidata eleita, às 18h10. Fabio Contarato (Rede), que disou o cargo pelo Espírito Santo, foi o 2º, às 18h35.
  • O primeiro governador eleito foi Mauro Carlesse (PHS), do Tocantins, às 18h31. Ele disava a reeleição.
  • No exterior: Bolsonaro foi o mais votado nos Estados Unidos, na Venezuela, em Israel e no Irã. Ciro liderou em Berlim, Paris e Pequem. Já Haddad ficou em primeiro na Palestina, em Cuba e na Nigéria.

Tiririca se reelege. Foto: Divulgação

  • O músico Frank Aguiar (PRB) ficou em quinto na disa pelo Senado no Piauí.
  • Após discursar contra a política, Tiririca é reeleito deado federal em SP com 453.855 votos.
  • Jorge Kajuru (PRP) foi eleito para o Senado por Goiás com mais de 1,3 milhão de votos.
  • Filho de Eduardo Campos, João Campos (PSB) foi o primeiro colocado na lista de representantes de Pernambuco na Câmara dos Deados. Já Danielle Dyts Cunha (MDB-RJ), filha do ex-presidente da Câmara dos Deados Eduardo Cunha não obteve votos suficientes para se eleger deada federal pelo MDB.
  • Fernando James (PRC), filho do ex-presidente Fernando Collor de Melo, ficou de fora da disa para deado federal pelo estado de Alagoas. Marcelo Crivella Filho (PRB), herdeiro do prefeito da capital carioca, Marcelo Crivella, também não conseguiu uma vaga na Câmara representando o Rio de Janeiro.
  • A advogada e professora Janaína Paschoal (PSL) tornou-se a deada mais votada da história no país. Ela foi eleita deada estadual em São Paulo com mais de 2 milhões de votos.
  • Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), superou a marca de 1,8 milhão de votos e se tornou o deado federal mais votado na história do país. Ele bateu a marca de Enéas Carneiro, que obteve 1.573.642 votos em 2002.
  • Das 30 candidatas mulheres a governo de estado, apenas Fátima Bezerra, do PT, no Rio Grande do Norte foi para o segundo turno e tem chance de se eleger.
  • Erica Malunguinho da Silva (PSOL) foi eleita deada estadual transsexual por São Paulo.
  • 3 em cada 4 senadores que tentaram novo mandato perderam a eleição em 2018.
  • Mesmo com votação miserável, Jean Wyllys se elege deado federal no RJ com 24.295 votos.
  • Dilma (PT) ficou em quarto lugar, com 15,35% dos votos, o que a deixou de fora da disa pelo Senado em Minas Gerais.