Foto: Divulgação

 

 

Uma estreia decepcionante para quem ocupou as ruas de Moscou desde o início da semana. Os torcedores da Argentina se destacaram fora do campo, enquanto a seleção decepcionou na estreia da Copa do Mundo. Em partida disada estreia da Copa do Mundo. Em partida disada na Otkrytiye Arena, em Moscou, a equipe comandada por Jorge Sampaoli ficou apenas no empate por 1 a 1 com a Islândia, em uma tarde completamente apagada de Lionel Messi, que voltou a conviver com o drama dos pênaltis.

 

O grande craque argentino do momento teve nos pés a chance de dar a vitória nesta estreia na Rússia. Mesmo com uma atuação apagada, Messi pegou a bola nos braços na melhor chance da equipe sul-americana durante o segundo tempo. No entanto, novamente na marca do pênalti, o camisa 10 falhou – e, de quebra, consagrou o goleiro Halldorson, que defendeu a cobrança.

 

O empate ratifica uma atuação aquém da Argentina. Diante de uma Islândia compacta e bem postada defensivamente, o time bicampeão mundial pouco criou, insistindo muito pelo meio. Era Messi pegar na bola, que imediatamente três islandeses se aproximavam e fechavam o espaço do craque. Faltou criatividade, intensidade e velocidade para o favorito do grupo D.

 

Passada a estreia na Rússia, a Argentina terá apenas quatro dias de preparação antes do decisivo duelo pela segunda rodada. Na quinta-feira, a partir das 15h (de Brasília), a equipe alviceleste encara a Croácia, em Nizhny Novgorod. A Islândia, por outro lado, joga um dia, às 12h, depois contra a Nigéria, em Volgorado.

 

Quem foi bem: Halldorson e um lance para a história

 

Finnbogarson entrou para a história ao anotar o primeiro gol da Islândia na história dos Mundiais. Entretanto, o lance do jogo ocorreu do outro lado do campo. No primeiro jogo de Copa da história do país nórdico, Hallodorson parou um dos melhores jogadores da história. O goleiro defendeu o pênalti cobrado por Messi e assegurou o empate.

 

Quem foi mal: Messi e o velho drama dos pênaltis

 

As comparações serão inevitáveis após a primeira rodada. Enquanto Cristiano Ronaldo anotou três gols e carregou Portugal nas costas contra a Espanha, Lionel Messi viveu uma tarde apagada em Moscou. Muito marcado, o camisa 10 teve a chance de dar a vitória à Argentina, mas falhou. O craque parou no goleiro Halldorson, em cobrança de pênalti, e saiu frustrado daquela que pode ser sua última Copa do Mundo.

 

"Maradona és más grande"

 

 

As comparações do grande camisa 10 argentino com Pelé ganharam tom na estreia da seleção alviceleste no Mundial, ainda mais quando o próprio Maradona apareceu no estádio em Moscou. Presença constante nos jogos da seleção, o ex-jogador esteve em um camarote e foi saudado pelo público assim que avistado. ‘Dios’, como é apelidado, usou uma camiseta com o emblema da Copa do Mundo de 1978, a primeira conquistada pelo país sul-americano.

 

Enfim, Agüero Sergio Agüero é um dos principais atacantes do futebol europeu há alguns anos, mas jamais emplacou verdadeiramente com a camisa da Argentina. Tanto que, depois de duas Copas do Mundo disadas, enfim, o camisa 19 balançou as redes pela primeira vez. Aos 19min do primeiro tempo, o centroavante dominou chute cruzado de Tagliafico, girou sobre a marcação e arrematou firme de esquerda para abrir o placar em Moscou.

 

Argentina insiste demais pelo meio

 

Há Di Maria e há Meza - e ainda Sálvio como praticamente um ponta. No entanto, a Argentina insistiu demais em centralizar o jogo somente em Lionel Messi. Escalado atrás de Agüero e, inclusive, livre de fazer o trabalho de recomposição, o craque do Barcelona recebeu marcação dupla durante todo o tempo e teve pouco espaço para criar. Faltou profundidade pelas pontas para abrir a defesa islandesa e aliviar minimamente o panorama para a sua principal referência m campo.

 

Islândia abdica da bola, mais leva perigo

 

Não era segredo que a Islândia iria primeiro se preocupar em neutralizar a Argentina. Com linhas próximas, a equipe estreante em Mundial limitou os espaços, dificultou Messi e ainda levou perigo, apesar dos pouco mais de 25% de de posse de bola. Só na “boa”, como diz um dos clássicos jargões do futebol, o time da pequena ilha europeia levou perigo diante de uma insegura defesa da equipe de Sampaoli. O empate, por exemplo, não demorou: aos 22min, Finnbogarson aproveitou rebote para igualar o marcador. Se não fosse Caballero defender chute de G. Sigurdsson, a zebra seria instalada ainda na etapa de abertura do jogo.

 

Mascherano faz história

 

Mesmo atuando na China e longe da melhor fase da carreira, Javier Mascherano fez história neste sábado. O volante ex-Barcelona chegou a 144 jogos com a camisa alviceleste, superou Javier Zanetti e se tornou o atleta com mais partidas pelo time bicampeão mundial.

 

 

Fonte - Uol

Por - Djalma Pontes